LendaCast podcast

O Crime Sombrio na Família Richthofen

0:00
28:39
Recuar 15 segundos
Avançar 15 segundos

Os 2 filmes recém-lançados que foram inspirados no caso Richthofen, voltaram a despertar o interesse do público em relembrar a história dos assassinatos ocorridos em 31 de outubro de 2002 e também, fizeram aumentar o interesse sobre como estão hoje em dia, os assassinos condenados na época: os irmãos Cravinhos e, principalmente, Suzane Von Richthofen, a filha que conspirou o assassinato dos pais. Essa curiosidade foi renovada com o lançamento de "A Menina que Matou os Pais" e "O Menino que Matou meus Pais", dois longas de ficção, dirigidos por Maurício Eça. Os filmes narram diferentes visões do crime a partir da versão contada no julgamento de cada um dos ex-namorados: Daniel e Suzane. Rever essa história no cinema, gerou uma série de sentimentos no público: revolta, curiosidade, raiva, boicote... Os comentários negativos, falam que Suzane não merecia (mais) holofotes, muito menos um suposto "pagamento" pela produção do filme, sendo que isso não passa de fake news, ou seja, nem Suzane nem os irmãos Cravinhos foram beneficiados financeiramente com a produção e sequer tiveram qualquer envolvimento com os longas. Já pelos comentários positivos, muitos seguidores argumentam que histórias de assassinos norte-americanos são aclamadas pelos brasileiros e que acham importante documentar esses crimes, nacionais ou não. Sem contar, que há algo bem macabro nisso tudo e que se encaixa aqui no Lenda: os assassinatos foram cometidos no dia 31 de outubro, ou seja, na madrugada de Halloween. Aliás, a mansão que foi palco dos crimes, surgiu recentemente borrada no Street View e isso também desperta curiosidade. E como deve ser, ter que dividir uma sala de aula com uma assassina, visto que Suzane começou a estudar em um curso universitário? Pensando nesses pormenores, Daniel Pires e Mari Cavalcante, exploram essas vertentes, que rondam um dos crimes mais brutais e sombrios do país: o caso da menina rica que mandou matar os próprios pais, cuja história foi parar no cinema.

--- Send in a voice message: https://anchor.fm/lendacast/message

Mais episódios de "LendaCast"

  • LendaCast podcast

    RETRÔLENDA 2021 - A Retrospectiva do Terror do LendaCast

    44:47

    O ano está chegando ao fim e nós também temos a nossa própria retrospectiva de terror, que chamamos de RetrôLenda, com os fatos mais impactantes do universo sombrio, que aconteceram durante 2021. Desde notícias de aparições, estreias de filmes do gênero, até acontecimentos internacionais, que merecem a nossa atenção. Esse episódio listou mês a mês, as informações que nos deixaram de cabelo em pé e que não podem ser esquecidas. Para este último LendaCast do ano, Daniel Pires e Mari Cavalcante recebem o criador de conteúdo Vinícius da Ilha, revelação das redes sociais, que explodiu nas plataformas, com um conteúdo muito rico, que também aborda o gênero terror. Vinícius produz vídeos de curiosidades em geral e aposta bastante nas notícias bizarras e sobrenaturais. Espero que você goste deste RetrôLenda, com o melhor do que aconteceu no gênero terror e horror, pelo Brasil e ao redor do mundo. E boas festas. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/lendacast/message
  • LendaCast podcast

    Spooky Houses Analisa o Vídeo Proibido do Carandiru

    28:05

    O ano de 2021 está chegando ao fim e, certamente, um dos fatos mais marcantes para nossa retrospectiva do terror, foi o vazamento do vídeo da médium Socorro Leite, visitando o Carandiru em 2002. Embora esse não seja o vídeo oficial, dá para termos uma ideia, de como essa reportagem exibida pelo SBT, chocou os espectadores na época. Na reportagem de 24 minutos, o então apresentador do Domingo Legal, Gugu Liberato, leva a sensitiva ao presídio abandonado e lá, ela se descontrola: chora, grita e se desespera. Porém, nós, leigos que somos, não conseguimos enxergar o que Socorro Leite enxerga no universo sobrenatural. Será que ela viu espíritos? Fantasmas? Como estavam essas entidades? Fica difícil de imaginar. Pensando nisso, eu e Mari Cavalcante, convidamos o Rodrigo Bonsaver, o Tio Spooky, do canal Spooky Houses Casas Assombradas, para nos ajudar a entender, o que teria assustado a médium Socorro Leite há quase 20 anos. O Rodrigo estuda a paranormalidade há 30 anos e afirma que também conversa com espíritos e entidades. Independente de suas crenças, eu te convido a ouvir esse episódio do LendaCast (o podcast do Lenda) com a análise de alguém que também mergulha com propriedade, no universo sobrenatural e, com certeza, pode nos ajudar a interpretar sob diversas óticas, quais os fantasmas que assombraram a paranormal naquela tarde de domingo. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/lendacast/message
  • LendaCast podcast

    Não percas um episódio de LendaCast e subscrevê-lo na aplicação GetPodcast.

    iOS buttonAndroid button
  • LendaCast podcast

    O Vídeo Proibido da Paranormal no Carandiru

    26:50

    O ano era 2002 e eu estava sentado em frente a TV, ouvindo Gugu Liberato anunciar em seu programa dominical: "Levamos uma médium ao Carandiru", seguido de imagens, onde uma mulher aparecia na tela, gritando e chorando, ao supostamente ver espíritos dentro de um dos maiores complexos penitenciários da América Latina. O local, que anos antes havia sido palco de um massacre, estava desativado, vazio, ermo. Só restaram as celas, os imensos pavilhões e o sangue nas paredes. A tal mulher, era Socorro Leite, paranormal, queridinha dos famosos na época e que dizia ter um elo forte de comunicação com os mortos. Em cada cela vazia onde entrava, Socorro chorava, recuava com pavor e pedia para que as almas encarceradas, não "tocassem" nela. Até um líquido misterioso, a médium jogava ao redor de si mesma, para repelir os espíritos atormentados, daqueles presidiários assassinados ali, dez anos antes. Eu era adolescente, tinha por volta de 17 anos de idade e não desgrudava da TV por um segundo. Eu não via nada de sobrenatural, só via escombros, mas as reações da paranormal, me enchiam de medo. Os anos se passaram, as imagens daquela reportagem foram sumindo da minha mente e tudo o que eu queria hoje, era poder assistir novamente aquele show de terror. Porém, mais de 15 anos depois, por ironia do destino ou não, trabalhei na mesma empresa onde Socorro Leite prestava consultoria. Com muito custo, consegui conversar brevemente com ela e perguntar das fitas do Carandiru. "Tem uma cópia comigo e outra com o SBT", disse serena, porém nitidamente incomodada com as perguntas. "Não quero que isso vá ao ar novamente, em hipótese alguma!", disse em tom de desabafo. Insisti na medida do possível, mas Socorro foi enfática e encerrou a conversa, dizendo que eu era "bonitinho e educado", mas mesmo assim, não prolongou o assunto do Carandiru. Mais anos se passaram e agora em novembro de 2021, uma parte da reportagem supostamente "vaza" na internet e eu pude regozijar-me daquelas imagens, que encheram meus olhos de alegria. Porém, esse vídeo que foi postado, seria a segunda parte da reportagem, pois a primeira parte, a reportagem principal e macabra, continua oculta, guardada a sete chaves e proibida pela emissora e, principalmente, pela própria médium. Pensando nisso, gravei este episódio do LendaCast, para discutir com Mari Cavalcante, os motivos que levaram a médium Socorro Leite, a proibir os vídeos de sua visita ao Carandiru, há quase 20 anos. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/lendacast/message
  • LendaCast podcast

    Os Endereços Macabros na Cidade de São Paulo

    24:54

    Você moraria em um local que foi palco de um assassinato? Seja uma mansão com piscina, uma cobertura duplex ou um apartamento simples, uma coisa é fato: toda residência onde alguém foi brutalmente morto, torna-se um local "assombrado". Explico: quando eu digo "assombrado", não quero dizer somente por fantasmas e energias negativas, mas sim, por um passado brutal, pela crueldade, pelo ódio que ficou impregnado ali. Existe uma lenda no Japão que diz assim: quando alguém é assassinado em uma casa, essa casa fica amaldiçoada para sempre. E acredite: os aluguéis desse local, ou até mesmo o preço desse imóvel, caem drasticamente. Sim, o comprador paga muito mais barato por uma casa supostamente assombrada. Pensando nisso, resolvi gravar um episódio do LendaCast (o podcast do Lenda), para detalhar como estão hoje em dia, quatro imóveis aonde aconteceram crimes que repercutiram pelo Brasil inteiro. Eu, Daniel Pires, junto com Mari Cavalcante, conversamos com o jornalista e pesquisador, Douglas Nascimento, fundador do Instituto São Paulo Antiga, que nos ajudou a entender como ficam a situação desses imóveis na cidade, quando um crime mancha seu passado. Será que alguém tem coragem de morar nessas residências? O aluguel é mais barato? Os novos moradores sentem alguma energia na casa? Tudo isso, nesse episódio inedito do LendaCast: os endereços macabros, na cidade de São Paulo. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/lendacast/message
  • LendaCast podcast

    Desvendando o Universo Paralelo de Setealém - Especial de Halloween

    28:28

    Em 1994, um jovem estudante voltava da faculdade e aguardava o ônibus em um ponto na região central da cidade de São Paulo. Com fones de ouvido, ouvindo seu discman, esse moço segurava vários livros e pegava qualquer ônibus que o deixasse no terminal rodoviário, então, por ali, ele tinha várias opções e não se importava com o ônibus em que iria entrar. Então, o jovem rapaz dá sinal, entra em um ônibus qualquer e logo que se acomoda em um dos assentos, os passageiros começam a questioná-lo de maneira incisiva e estranha: “Para onde você vai, meu rapaz?”, pergunta uma senhora. “Esse ônibus vai para Setealém e você não é de lá”, insiste a idosa. O rapaz a ignora, mas se vê acuado, quando percebe que todos os passageiros do coletivo, estão olhando para ele. De repente, o motorista para o ônibus e o obriga a descer, alimentado pelos gritos dos outros passageiros. Assustado, o rapaz desce e fica anos sem entender o que tinha acontecido naquela tarde. Após contar o fato para amigos, esse jovem percebe que outras pessoas já visitaram “Setealém” e que esse lugar seria uma espécie de universo paralelo, onde habitam criaturas estranhas e o tempo passa de maneira diferente do nosso. Sem contar que, muitos, dizem que o lugar é mais sombrio do que se possa imaginar. Como estamos na semana do Halloween, eu, Daniel Pires e Mari Cavalcante, entrevistamos o jovem rapaz da história acima, o escritor Luciano Milici, que atualmente está com 46 anos e se lembra de tudo o que aconteceu naquele dia. Por isso, gravamos toda a nossa conversa em um episódio macabro de podcast, que serviu para que ele possa contar em primeira pessoa, como foi sua experiência de quase ida para Setealém, um universo paralelo que, segundo diversos relatos, já foi visitado por muitas pessoas. E todas elas, desavisadas: elas se perdem em algum lugar do cotidiano (escadaria de prédio, elevador, banheiro público) e acabam entrando em um universo que não é o nosso. No caso do Luciano, foi o ônibus de volta para casa. Para ouvir o episódio completo, acesse o LendaCast em sua plataforma de áudio favorita ou clique no link da bio no Instagram “OLendaTV”, quem sabe você já não foi para Setealém e nem sequer sabe disso. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/lendacast/message
  • LendaCast podcast

    O Crime Sombrio na Família Richthofen

    28:39

    Os 2 filmes recém-lançados que foram inspirados no caso Richthofen, voltaram a despertar o interesse do público em relembrar a história dos assassinatos ocorridos em 31 de outubro de 2002 e também, fizeram aumentar o interesse sobre como estão hoje em dia, os assassinos condenados na época: os irmãos Cravinhos e, principalmente, Suzane Von Richthofen, a filha que conspirou o assassinato dos pais. Essa curiosidade foi renovada com o lançamento de "A Menina que Matou os Pais" e "O Menino que Matou meus Pais", dois longas de ficção, dirigidos por Maurício Eça. Os filmes narram diferentes visões do crime a partir da versão contada no julgamento de cada um dos ex-namorados: Daniel e Suzane. Rever essa história no cinema, gerou uma série de sentimentos no público: revolta, curiosidade, raiva, boicote... Os comentários negativos, falam que Suzane não merecia (mais) holofotes, muito menos um suposto "pagamento" pela produção do filme, sendo que isso não passa de fake news, ou seja, nem Suzane nem os irmãos Cravinhos foram beneficiados financeiramente com a produção e sequer tiveram qualquer envolvimento com os longas. Já pelos comentários positivos, muitos seguidores argumentam que histórias de assassinos norte-americanos são aclamadas pelos brasileiros e que acham importante documentar esses crimes, nacionais ou não. Sem contar, que há algo bem macabro nisso tudo e que se encaixa aqui no Lenda: os assassinatos foram cometidos no dia 31 de outubro, ou seja, na madrugada de Halloween. Aliás, a mansão que foi palco dos crimes, surgiu recentemente borrada no Street View e isso também desperta curiosidade. E como deve ser, ter que dividir uma sala de aula com uma assassina, visto que Suzane começou a estudar em um curso universitário? Pensando nesses pormenores, Daniel Pires e Mari Cavalcante, exploram essas vertentes, que rondam um dos crimes mais brutais e sombrios do país: o caso da menina rica que mandou matar os próprios pais, cuja história foi parar no cinema. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/lendacast/message
  • LendaCast podcast

    A Bela e Mórbida Cripta da Sé em São Paulo

    22:55

    Você sabia que existem pessoas sepultadas embaixo da Catedral da Sé, no Centro de São Paulo? O Lenda visitou a cripta, onde estão enterrados 18 corpos, entre bispos, cardeais e até o primeiro cacique catequizado pela Igreja Católica. As sepulturas ficam exatamente a 7 metros abaixo do altar da Catedral da Sé. Todos os epitáfios estão escritos em latim e lá também está enterrado o corpo do cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, morto em 2016, o último a ser sepultado no local. Com estilo neogótico, construída em 1919, a cripta é muito bonita, porém bastante sombria, pois todas as câmaras mortuárias são enormes e possuem os bustos de seus respectivos mortos, esculpidos em bronze e que parecem observar quem visita o local. Ainda há sepulturas vazias e, umas delas, inclusive, está aberta e os visitantes podem entrar (eu entrei hihi). A Cripta da Catedral da Sé também conhecida como o "Cemitério do Alto Clero", completou 100 anos de existência em 2019 e até os restos mortais de Santos Dumont, o pai da aviação, estiveram sepultados por lá. Neste episódio, Daniel Pires e Mari Cavalcante exploram a cripta por dentro e contam a história de sua construção, até os dias atuais.  --- Send in a voice message: https://anchor.fm/lendacast/message
  • LendaCast podcast

    BAURU E SEU ANTIGO CEMITÉRIO DOS LEPROSOS - LendaCast

    28:30

    Quando fiquei sabendo que existia um cemitério desativado em Bauru, no interior de São Paulo, fui logo conhecê-lo. Ele faz parte do Antigo Asilo Colônia Aimorés, que tratava pessoas com hanseníase, ou seja, a lepra, doença que mudou de nome em 1995. O local, inaugurado em 1933, chegou a receber mais de 2 mil pessoas em tratamento, que ficavam reclusas da sociedade, por conta do contágio. Eram os chamados "hospitais colônia", que recebiam pacientes para internação compulsória, ou seja, à força. Além disso, a lepra era uma doença muito contagiosa e ainda não tinha tratamento adequado. Sem contar que era uma enfermidade muito cruel, pois a infecção, quando não tratada, fazia com que os pacientes perdessem partes do corpo, ainda em vida. Com o alto índice de mortes dentro da colônia, que eles chamavam de "Leprosário de Bauru", os mortos não podiam ser sepultados em cemitérios comuns, construídos na cidade. Então, construíram esse cemitério afastado de tudo, cuja entrada era permitida somente à funcionários da colônia. Em sua maioria, as sepulturas eram esculpidas em cimento e é quase impossível encontrar uma fotografia ou um túmulo que dê para ler a identificação dos mortos no epitáfio. Não se sabe exatamente, quando os sepultamentos pararam de acontecer neste cemitério, mas tudo indica que foi por volta dos anos 70, pois a maioria das sepulturas não possuem datas de enterro após essa década. Portanto, o cemitério pode estar abandonado há mais de 40 anos. Pensando nisso, resolvi gravar um episódio do LendaCast (o podcast do Lenda), sobre a história deste cemitério, que é bastante triste. Para ouvir, acesse os Stories do Instagram “OLendaTV” ou ouça em sua plataforma de áudio preferida, buscando pelo episódio "Bauru e Seu Antigo Cemitério dos Leprosos". --- Send in a voice message: https://anchor.fm/lendacast/message
  • LendaCast podcast

    As Assombrações da Capela dos Aflitos em SP

    28:48

    O tradicional bairro japonês da Liberdade, no centro da cidade de São Paulo, esconde uma história com mais de 250 anos e parte dela está (literalmente) embaixo da terra. Quem passa por lá, talvez não saiba que está pisando sobre o que, um dia foi o primeiro cemitério da cidade de São Paulo, que abrigou uma singela capela que resiste por lá até hoje: a Capela dos Aflitos. As lendas do bairro da Liberdade ainda assombram moradores e visitantes, mas há aqueles que buscam ajuda no santo popular local, o Francisco José das Chagas, conhecido como “Chaguinhas”, um militar que morreu enforcado próximo à capela. Não à toa, o bairro era chamado também de Largo da Forca e Praça dos Enforcados, pois ali, muitas pessoas foram mortas em praça pública, no passado. Assim como Chaguinhas, o destino de muitos, principalmente de escravos, foi a morte violenta. E reza a lenda, que muitas dessas almas ainda são vistas perambulando pelo bairro, que exalta a cultura nipônica. Sem contar, que há três anos, em 2018, nove ossadas foram encontradas atrás da capela. Pensando nesse passado tenebroso, ocorrido no Bairro da Liberdade, Daniel Pires e Mari Cavalcante relembram os mistérios que cercam o lugar e analisam as assombrações que são vistas dentro e fora, da enigmática porém singela, Capela dos Aflitos nos bairro da Liberdade, no centro de São Paulo. 🏯 --- Send in a voice message: https://anchor.fm/lendacast/message
  • LendaCast podcast

    É Cringe produzir terror no Brasil?

    33:46

    Esse termo "cringe", que no inglês significa "vergonha alheia", foi muito usado recentemente na internet. Aí eu me peguei pensando: será que tentar produzir terror no Brasil é um pouco cringe? Será que estou passando vergonha na internet ao apostar num gênero que sequer é visto com bons olhos até pelas marcas daqui? Diante dessa inquietação, convidei minha amiga e radialista Dane Taranha, junto com o cineasta Marcos De Brito, para gravar este episódio do LendaCast e tentar entender o por que o gênero terror e horror é tão mal visto e pouco explorado quando feito aqui, no nosso Brazilzão de Zé do Caixão. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/lendacast/message

Descobre o mundo dos podcasts com a app gratuita GetPodcast.

Subscreve os teus podcasts preferidos, ouve episódios offline e obtém recomendações fantásticas.

iOS buttonAndroid button