Investigação Criminal podcast

JOVENS PSICOPATAS - A BANALIZAÇÃO DO MAL - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #33

0:00
1:28:20
Manda indietro di 15 secondi
Manda avanti di 15 secondi

Assista a todos os conteúdos do Investigação Criminal no nosso canal: Youtube.com/OPOperacaoPolicial

Ariane de Oliveira tinha apenas 18 anos quando se tornou a vitima perfeita para uma das histórias mais cruéis da atual literatura criminal brasileira. Moradora de Goiânia, a jovem que tinha o sonho de ser veterinária frequentava uma pista de skate da região, onde acabou conhecendo Raissa, Jeferson, a transexual Freya (cujo nome de nascimento é Enzo), e uma menor de idade de 16 anos. Ariane só não sabia que aqueles quatro não seriam uma nova turma de amigos. Os quatro seriam, na verdade, seus futuros assassinos.

Raissa, Jeferson, Freya e a menor de idade tinham um desejo: matar para saberem se eram psicopatas. Isso mesmo, este crime é a própria banalização da psicopatia. Enganada pelos quatro, Ariane aceitou o convite dos quatro para irem a uma lanchonete, mas, no meio do caminho, o plano macabro da turma foi colocado em prática. Coube a Jefferson dar o comando da morte, que teve até trilha sonora escolhida. No momento certo da música, Jefferson dá um estalo de dedos, que era o sinal para Freya enforcar Ariane, preparando a menina para as facadas que seriam desferidas por Raissa e pela menor de idade. Já morta, a garota é deixada num terreno baldio e os quatro seguem para o shopping da cidade para comerem um lanche – com a roupa ainda suja de sangue.

Ariane foi escolhida pelos quatro dentro de uma lista de 3 vítimas pré selecionadas desejadas. Ariane acabou sendo a preferida porque era mais baixa e magra, o que daria mais tranquilidade para os assassinos em alguma luta corporal.

Confira a entrevista com o advogados de defesa de Ariane, Dr Leandro Zeidan.

Altri episodi di "Investigação Criminal"

  • Investigação Criminal podcast

    ENTRE TAPAS, BEIJOS E MORTE - O MARIDO - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #39

    32:26

    Não deixe de conferir esse e outros conteúdos no nosso canal Operação Policial, no Youtube (www.youtube.com/OPOperacaoPolicial). No dia 30 de outubro de 2016, na capital do Amapá, Macapá, chegava ao fim um casamento de 8 anos, onde, neste caso, a esposa era a agressora, mantendo o marido em constante violência física e mental. Mas o término veio com a morte de Greti Cordeiro Leal, de 26 anos. Paulo José dos Santos, de 28 anos, terminou por se defender de mais um ataque cotidiano de Greti e, segundo Paulo, para evitar ser mais uma vez espancado, ele a segurou com mais força, causando a asfixia na sua companheira. O casal tinha dois filhos de 6 e 4 anos à época do crime, O laudo necroscópico de Greti aponta que ela estava grávida de seu terceiro filho fazia 5 semanas. Paulo José foi julgado e condenado a pouco mais de 15 anos de prisão. Ele aguarda o trânsito e julgado para ser preso.  Confira a entrevista com Paulo José, o marido e assassino de Greti. 
  • Investigação Criminal podcast

    CASO EVANDRO - BEATRIZ ABAGGE - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #38

    1:31:47

    Não deixe de conferir esse e outros conteúdos no nosso canal Operação Policial, no Youtube (www.youtube.com/OPOperacaoPolicial). Conversamos com Beatriz Abagge, uma das 7 pessoas inocentes desta história, que teve sua vida completamente destruída durante as pseudo investigações feitas à época pela polícia militar (o que em si já é um erro, uma vez que quem investiga é a polícia civil). Saiba mais sobre os 30 anos de luta de Beatriz e ou outros 7 injustiçados tiveram e têm que passar para conseguirem tirar de seus nomes a alcunha de "Bruxos de Guaratuba", nome batizado pela imprensa para os que eram apontados como algozes do Caso Evandro, menino que sumiu no estado do Paraná, em 1992.  No nosso canal no Youtube, você acompanha um grande especial com Dra Rosângela Monteiro e Dr Tiago Pavinatto, que falam dos erros deste crime, e, também, todas as entrevistas na íntegra com os 7 inocentes do caso Evandro, além do advogado de defesa que está a frente do pedido de cancelamento do julgamento feito pelo Ministério público do Paraná.
  • Investigação Criminal podcast

    Non perdere nemmeno un episodio di Investigação Criminal. Iscriviti all'app gratuita GetPodcast.

    iOS buttonAndroid button
  • Investigação Criminal podcast

    CASO EVANDRO - IVAN MIZANZUK - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #37

    1:57:16

    Não deixe de conferir esse e outros conteúdos no nosso canal Operação Policial, no Youtube (www.youtube.com/OPOperacaoPolicial). Acompanhe a entrevista com Ivan Mizanzuk, autor do podcast Humanos. Conversamos com ele sobre o caso Evandro e seus desdobramentos depois de encontradas as fitas originais que comprovam a tortura sofrida pelos 7 injustiçados desta história. No nosso canal no Youtube, você acompanha um grande especial com Dra Rosângela Monteiro e Dr Tiago Pavinatto, que falam dos erros deste crime, e, também, todas as entrevistas na íntegra com os 7 inocentes do caso Evandro, além do advogado de defesa que está a frente do pedido de cancelamento do julgamento feito pelo Ministério público do Paraná. 
  • Investigação Criminal podcast

    A MENINA DOS PATINS VITÓRIA GABRIELLY - O PAI - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #36

    1:10:28

    Assista a todos os conteúdos do Investigação Criminal no nosso canal: Youtube.com/OPOperacaoPolicial Confira aqui a entrevista completa com o pai de Victória Gabrielly, Beto Vaz. Em 8 de junho de 2018, Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, com apenas 12 anos, saiu de casa pela última vez, em Araçariguama, na região de Sorocaba, no interior de São Paulo. A pré-adolescente queria apenas uma coisa naquela tarde de sexta-feira: #patinar no ginásio próximo da sua casa. Mas Vitoria nunca chegou ao seu destino final. Dada inicialmente como #desaparecida, a garota foi encontrada #morta 8 dias depois, com os braços e pernas atados, seu corpo amarrado a uma árvore, e os patins próximos a ela. A morte da jovem comoveu o Brasil ainda mais depois que se descobriu que Vitória foi vítima de três homens e uma mulher que buscavam cobrar a dívida que um suposto parente seu tinha com um traficante de drogas da região. No entanto, as investigações mostraram que o bárbaro #assassinato de Vitória teria detalhes ainda mais mórbidos: ela foi #sequestrada erroneamente. O servente de pedreiro Julio Cesar Ergesse, o casal Mayara Borges Abrantes e Bruno Marcel de Oliveira, segundo a polícia, teriam interceptado Vitória na rua, confundindo ela com a irmã de usuário de drogas que estava devendo 7 mil reais para o traficante. Quando perceberam que haviam pegado a garota errada, os três resolveram se livrar do problema, dando fim à vida de Vitoria. Em 2019, Julio Cesar foi condenado a um total de 34 anos de prisão, que baixou para 20 anos meses depois. O casal Bruno e Mayara recebeu a pena de pouco mais de 36 anos de cadeia, cada. Todos foram julgados por sequestro, homicídio culposo, ocupação de cadáver e várias outras qualificadoras - como meio cruel. O traficante que teria encomendado o crime, Odilan Alves, foi preso, nega participação no caso e aguarda seu julgamento. Durante a sentença de Mayara e Bruno, o juiz Fabio Roberto de Carvalho resumiu muito bem a dor da família de #Vitoria #Gabrielly Guimarães. Ele disse: “O castigo para a família é perpétuo. So terão a saudade e as flores no cemitério. Os réus, dentro da lei de execução penal brasileira, uma das piores legislações do mundo, uma verdadeira celebração da impunidade, eles, os réus, conseguirão benefícios com o tempo”.
  • Investigação Criminal podcast

    A MENINA DOS PATINS VITÓRIA GABRIELLY - A MÃE - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #35

    1:15:12

    Assista a todos os conteúdos do Investigação Criminal no nosso canal: Youtube.com/OPOperacaoPolicial Confira aqui a entrevista completa com a mãe de Victória Gabrielly, Rosana Guimarães.     Em 8 de junho de 2018, Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, com apenas 12 anos, saiu de casa pela última vez, em Araçariguama, na região de Sorocaba, no interior de São Paulo. A pré-adolescente queria apenas uma coisa naquela tarde de sexta-feira: #patinar no ginásio próximo da sua casa. Mas Vitoria nunca chegou ao seu destino final.   Dada inicialmente como #desaparecida, a garota foi encontrada #morta 8 dias depois, com os braços e pernas atados, seu corpo amarrado a uma árvore, e os patins próximos a ela. A morte da jovem comoveu o Brasil ainda mais depois que se descobriu que Vitória foi vítima de três homens e uma mulher que buscavam cobrar a dívida que um suposto parente seu tinha com um traficante de drogas da região. No entanto, as investigações mostraram que o bárbaro #assassinato de Vitória teria detalhes ainda mais mórbidos: ela foi #sequestrada erroneamente.   O servente de pedreiro Julio Cesar Ergesse, o casal Mayara Borges Abrantes e Bruno Marcel de Oliveira, segundo a polícia, teriam interceptado Vitória na rua, confundindo ela com a irmã de usuário de drogas que estava devendo 7 mil reais para o traficante. Quando perceberam que haviam pegado a garota errada, os três resolveram se livrar do problema, dando fim à vida de Vitoria. Em 2019, Julio Cesar foi condenado a um total de 34 anos de prisão, que baixou para 20 anos meses depois. O casal Bruno e Mayara recebeu a pena de pouco mais de 36 anos de cadeia, cada. Todos foram julgados por sequestro, homicídio culposo, ocupação de cadáver e várias outras qualificadoras - como meio cruel. O traficante que teria encomendado o crime, Odilan Alves, foi preso, nega participação no caso e aguarda seu julgamento.   Durante a sentença de Mayara e Bruno, o juiz Fabio Roberto de Carvalho resumiu muito bem a dor da família de #Vitoria #Gabrielly Guimarães. Ele disse: “O castigo para a família é perpétuo. So terão a saudade e as flores no cemitério. Os réus, dentro da lei de execução penal brasileira, uma das piores legislações do mundo, uma verdadeira celebração da impunidade, eles, os réus, conseguirão benefícios com o tempo”.
  • Investigação Criminal podcast

    ONDE ESTÁ O MEU IRMÃO? - LEANDRO BOSSI - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #34

    1:36:09

    Assista a todos os conteúdos do Investigação Criminal no nosso canal: Youtube.com/OPOperacaoPolicial No dia 15 de fevereiro de 1992, Leandro Bossi simplesmente desapareceu durante um show de música em Guaratuba, cidade litorânea paranaense. Com apenas 7 anos, o menino entrou para a lista de #crianças #desaparecidas que assolava o estado do Paraná no começo da década de 1990. Por ser de uma família com menos recursos, o desaparecimento de Leandro está sempre envolvido com outro crime que aconteceu meses depois na mesma cidade, e que teve mais notoriedade à época, o caso #Evandro. Os pais de Leandro procuraram pelo filho em todas as cidades vizinhas, e até hoje a família, inclusive os irmãos mais novos que não o conheceram pessoalmente, todos esperam pela volta de Leandro, que, em 2022, completa 37 anos.  Leandro teria sido sequestrado para adoção em outro país? Teria o menino se perdido e estar vivendo hoje perto de sua família sem saber sua real identidade? Leandro poderia ter deixado sua família por vontade própria? Confira a entrevista com Lucas Bossi, irmão de Leandro Bossi, que herdou o legado do pai João Bossi, na busca por Leandro.  Para ver essa entrevista, além de outras e também o especial sobre Leandro Bossi, acesse nosso canal no Youtube: YouTube.com/OPOperacaoPolicial
  • Investigação Criminal podcast

    JOVENS PSICOPATAS - A BANALIZAÇÃO DO MAL - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #33

    1:28:20

    Assista a todos os conteúdos do Investigação Criminal no nosso canal: Youtube.com/OPOperacaoPolicial Ariane de Oliveira tinha apenas 18 anos quando se tornou a vitima perfeita para uma das histórias mais cruéis da atual literatura criminal brasileira. Moradora de Goiânia, a jovem que tinha o sonho de ser veterinária frequentava uma pista de skate da região, onde acabou conhecendo Raissa, Jeferson, a transexual Freya (cujo nome de nascimento é Enzo), e uma menor de idade de 16 anos. Ariane só não sabia que aqueles quatro não seriam uma nova turma de amigos. Os quatro seriam, na verdade, seus futuros assassinos. Raissa, Jeferson, Freya e a menor de idade tinham um desejo: matar para saberem se eram psicopatas. Isso mesmo, este crime é a própria banalização da psicopatia. Enganada pelos quatro, Ariane aceitou o convite dos quatro para irem a uma lanchonete, mas, no meio do caminho, o plano macabro da turma foi colocado em prática. Coube a Jefferson dar o comando da morte, que teve até trilha sonora escolhida. No momento certo da música, Jefferson dá um estalo de dedos, que era o sinal para Freya enforcar Ariane, preparando a menina para as facadas que seriam desferidas por Raissa e pela menor de idade. Já morta, a garota é deixada num terreno baldio e os quatro seguem para o shopping da cidade para comerem um lanche – com a roupa ainda suja de sangue. Ariane foi escolhida pelos quatro dentro de uma lista de 3 vítimas pré selecionadas desejadas. Ariane acabou sendo a preferida porque era mais baixa e magra, o que daria mais tranquilidade para os assassinos em alguma luta corporal. Confira a entrevista com o advogados de defesa de Ariane, Dr Leandro Zeidan. 
  • Investigação Criminal podcast

    A MULHER SEM SANGUE - LORENZA PINHO - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #32

    2:04:38

    Assista a todos os conteúdos do Investigação Criminal no nosso canal: Youtube.com/OPOperacaoPolicial Lorenza de Pinho era casada com o promotor mineiro André Luiz Garcia de Pinho há mais de dez anos. Mãe de cinco filhos, morando em Belo Horizonte, em.Minas Gerais, Lorenza passava por um período de depressão, especialmente depois que o padrão de vida de sua família caiu e todos tiveram que mudar de um amplo apartamento para um bem menor. Afastada pelo marido de sua irmã gêmea e de seus pais, Lorenza vivia uma vida escondida. No seu novo endereço, nenhum vizinho a conhecia, nem nunca tinha a visto pelo prédio. Muitos moradores sequer sabiam que ali vivia uma mulher que seria, em breve, assassinada pelo marido. André matou Lorenza simulando uma autointoxicação por remédios e álcool. A verdade só seria descoberta graças ao pai de Lorenza que não acreditava na morte natural de sua filha e conseguiu acionar a polícia antes que Lorenza fosse cremada. No IML, descobriu-se a verdade: Lorenza havia sido asfixiada, vítima de feminicidio. A história vai tomando contornos ainda mais macabros, sem qualquer explicação, o promotor Andre, o marido, ainda tirou todo o sangue da esposa. No corpo humano existem 5 litros de sangue, no de Lorenza foram constatados apenas 25 ml. O plano de André não foi tão perfeito assim. Confira a entrevista com o pai de Lorenza, o senhor Marco Aurelio Alves Silva, que traz detalhes do casamento e da morte da filha. 
  • Investigação Criminal podcast

    O JOGO DA MORTE - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #31

    55:28

    Assista a todos os conteúdos do Investigação Criminal no nosso canal: Youtube.com/OPOperacaoPolicial A imprensa noticiou este crime como tendo principal motivo uma briga de casal por causa de futebol. Érica era palmeirense. Leonardo, corinthiano. Casados há mais de dez anos, pais de gêmeos ainda pequenos, os dois já vinham tendo problemas conjugais há mais tempo que a família sabia. Érica havia confidenciado no dia em que morreu que queria se separar do marido. Leonardo, horas antes de matar a esposa, manda um whats app para um primo de Érika e avisa: "eu quero matar ela". Uma curiosidade importante que ajuda a diminuir a motivação fútil de briga por futebol. No dia que Érica foi morta por Leonardo, o Palmeiras se sagrou campeão pela Copa Libertadores da América de 2021, mas, naquela partida, não era contra o Corinthians que Palmeiras jogou. Foi contra o Santos... Confira a conversa com a irmã de Erica, a Aline Fernandes, que traz detalhes sobre o crime e a relação da irmã com o cunhado assassino.
  • Investigação Criminal podcast

    CASO PESSEGHINI - O QUE REALMENTE ACONTECEU? - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #30

    50:43

    Assista a todos os conteúdos do Investigação Criminal no nosso canal: Youtube.com/OPOperacaoPolicial Este é um dos casos mais cheios de versões da criminologia do Brasil. Um casal de polícias militares (o pai, sargento da ROTA) duas senhoras e um adolescente de 13 anos são encontrados mortos em casa. O que terá acontecido? Luiz Marcelo Pesseghini e Andreia Regina Bovo Pesseghini eram pais de Marcelo Pesseghini. Os três moravam no mesmo terreno que a mãe de Andreia, Benedita Oliveira Bovo, e Bernadete Oliveira da Silva, tia de Andreia e tia-avó de Marcelo. No dia 5 de agosto de 2013, primeiro dia de aula pós férias de inverno, Marcelinho (como era mais conhecido) chega à escola dirigindo o carro da mãe, encontra com os amigos, fala que na sua mochila havia uma arma, convida seus colegas para serem "Mercenários" - uma espécie de liga de justiceiros. Nenhum garoto dá ouvidos ao que parecia ser apenas brincadeira do garoto. O adolescente, então, volta para casa, encara o cenário que tinha deixado horas antes: seu pai, sua mãe, sua avó e sua tia-avó mortos pela casa. Mortos... Por ele. Marcelinho, na madrugada do dia 5, dispara com a pistola da mãe contra seus pais e seus parentes. Quando retorna do colégio, o garoto disfere um tiro contra si próprio e cai sem vida ao lado do pai e da mãe, num colchão no meio da sala da casa. Mas... E se isso for apenas uma versão do que pode ter acontecido neste crime? Confira no nosso canal do youtube o grande especial que produzimos, com dois episódios, um que revela detalhes da investigação e outro que traz a história reescrita pela defesa da família Pesseghini. Confira ainda todas as entrevistas dos convidados na íntegra. É só acessar youtube.com/OpOperacaoPolicial Aqui, eu trago neste podcast a entrevista que fiz com Dra Rosangela Monteiro, perita criminal com mais de quarenta anos de experiência na polícia técnico cientifica de São Paulo. Você já a ouviu aqui no caso Isabela Nardoni. Foi ela a responsável or traçar toda rota de crime executada por Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá.

Accedi a tutto il mondo dei podcast con l’app gratuita GetPodcast.

Iscriviti ai tuoi podcast preferiti, ascolta gli episodi offline e ricevi fantastici consigli.

iOS buttonAndroid button